Quer diversificar seus ganhos? O COE é uma boa oportunidade

Certificado de Operações Estruturadas. Esse é o significado das três letras que compõem este recente produto financeiro no Brasil. Segundo o “Manual de Operações” da Cetip (Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos Privados) o COE é um instrumento que permite instituições financeiras emitirem notas estruturadas cuja remuneração equivale à aplicação de um caixa combinado com um ou mais instrumentos derivativos.

Como funciona o COE?

Em linhas gerais, o COE funciona como um pacote que reúne elementos de Renda Fixa e Renda Variável em um único instrumento. Além disso, ele é formado pela combinação de um título prefixado emitido por um banco, com estratégias de derivativos. Assim, ao estruturar o COE, o emissor cria cenários para o desempenho de um ativo, que pode ser tanto nacional como internacional.

Esta modalidade financeira é uma ótima forma de diversificação, correndo poucos riscos. Ao comprar um COE, você está adquirindo títulos emitidos por bancos. Estes, por sua vez, aplicam grande parte do capital em Títulos de Renda Fixa (CDB, LCI, LCA) e uma pequena parcela em Renda Variável.

Diferencial do COE

É a Renda Variável o grande diferencial do COE, ou seja, o risco mais agressivo das aplicações em Renda Variável pode aumentar em muito o retorno investido. Dentre os produtos que podem fazer parte do Certificado vão desde ações (nacionais e estrangeiras), índices da Bovespa, de bolsas americanas, moedas (dólar e euro) até commodities (café, ouro, soja etc.).

Outro grande diferencial do COE é oferecer garantias contra perdas. E, como funciona isso?

Caso o resultado dos investimentos seja positivo, você recebe seu capital investido, além dos lucros alcançados. Por outro lado, sendo negativo, você recebe apenas o capital investido, livre do prejuízo.

Como foi mencionado, parte do capital será aplicado em investimentos de retorno agressivo e isso pode ser muito interessante, já que o retorno pode ser mais robusto que o da Renda Fixa, sem risco de perda.

Quais são as duas modalidades do COE?

1. Valor Nominal Protegido

O investidor tem garantia de receber, pelo menos, 100% do valor principal que investiu. Se a Renda Variável em que o certificado está atrelado tenha desempenha negativo, você recebe o valor investido de volta.

2. Valor Nominal em Risco

O investidor tem risco de perda até o limite do seu capital. Pode perder todo o capital investido, mas não corre o risco de perder mais do que tem e encerrar o investimento com dívidas.

Vale a pena dizer que a grande maioria dos Certificados de Operações Estruturadas emitidos são do tipo protegido. É importante também estar atento ao documento chamado DIE (Documento de Informações Essesnciais).

O que isso significa?

O distribuidor do COE, a exemplo de uma corretora de valores, tem a obrigação de fornecer este documento, contendo as informações principais de seu investimento, tais como:

A) Modalidade e garantia do COE;
B) Banco emissor;
C) Rentabilidade;
D) Prazo de investimento;
E) Regras para ganhos e perdas.

Outro dado relevante é o fato de que após ser emitido pelo banco, o COE deve ser registrado na Cetip (Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos Privados). O papel da Cetip é garantir que as instituições financeiras ofereçam COEs com segurança e eficiência, com opções variadas em diferentes cenários de retorno.

Vantagens do COE

– Permite investir no câmbio, mercado estrangeiro e outras opções sofisticadas, porém de forma simplificada.
– Possibilidade de alto desempenho.
– O investimento é protegido contra perdas.
– Opções com diferentes níveis de risco para diferentes perfis de investidor.
– Tributação única pela tabela regressiva de Imposto de Renda.

O COE possui tributação do Imposto de Renda (IR), seguindo tabela regressiva (veja a tabela abaixo), assim como nos investimentos em Renda Fixa, ou seja, quanto maior o prazo do seu investimento, menor será a alíquota de IR deduzida.

tabela-imposto-coe

Saiba que na data do vencimento você já receberá o valor líquido descontado o IR.

Além disso, outro ponto importante para ser observado é o fato de que para investir em COE não há um valor mínimo definido. Isso vai depender do banco emissor e das opções que o distribuidor do título oferece, que pode ser o próprio banco ou uma corretora de valores.

O prazo de vencimento vai depender da estrutura do Certificado e da instituição emissora. Normalmente, são ofertados títulos com prazo entre 6 meses a 5 anos.

O COE não possui liquidez diária, por isso você precisa estar atento ao seu prazo de investimento.

Assim, o COE pode ser uma boa estratégia para quem está começando e deseja buscar melhores retornos, como investir em bolsa de valores com menores riscos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *