Confinamento e leitura: aproveite o momento para aprender com os grandes investidores

Por Thiago Goulart – Editor do Blog Valor Educação

 

Investir é ter o conhecimento necessário em captar as oportunidades em momentos de euforia, pânico, calmaria ou baixa. Não há um caminho correto para alcançar o topo da montanha, mas muita análise, comprometimento, trabalho árduo, seriedade e ética.

Em momentos de turbulência sob o vírus da incerteza, tendemos a ficar psicologicamente abalados face à fragilidade econômica global e também do que pode acontecer em modelos de negócios nas mais diversas áreas: tecnologia, medicina, transporte, comportamento, relações humanas, consumo e investimentos.


O período atual é de confinamento, segundo especialistas, entidades médicas, economistas e órgãos internacionais. Apesar dos percalços que estamos enfrentando, há um antídoto datado de tempos imemoriais, mas alimentado por monges medievais isolados em seus mosteiros encastelados e difundido por Johannes Gutenberg, inventor da prensa gráfica (1442): a leitura.

Oportunidade

Confinamento e leitura podem nos levar à reflexão interior, para que possamos agir de forma mais acertada, controlada, avaliando riscos e oportunidades. Quando estamos sozinhos, somos mais estimulados a pensar e abordar situações difíceis com postura inovadora.

É nesse sentido que podemos ter um pensamento original ou nos depararmos com textos cujos personagens (reais ou fictícios) nos permitam compartilhar seus erros e acertos, tornando-nos psicologicamente muitos mais fortes e ponderados.

Sobre isso, os livros Fora da Curva – Os segredos dos grandes investidores do Brasil – e o que você pode aprender com eles e Fora da Curva 2 – Mais investidores incríveis revelam seus segredos – e você pode aprender com eles são remédios eficazes.

Encontramos nos dois livros, pessoas das mais diferentes áreas, com perfis completamente díspares e que narram suas visões, entre erros e acertos no mundo dos investimentos. Uma constatação: estamos diante de pessoas Fora da Curva.

Fora da curva (1)

“Sempre acreditei que o bom investidor não é o que foge do risco, mas o que sabe arriscar na hora certa. Risco é parte da vida. Quem não corre risco não faz nada”. A frase é do empresário e investidor Jorge Paulo Lemann. A sentença expõe a base de um modelo mental Fora da Curva e que vai além do mercado financeiro.

Investir também é tomar decisão . Nesse sentido, saber avaliar suas decisões é tarefa que só se aprende na prática.  E isso, Jorge Paulo Lemann fez de sobra.

Outra pessoa Fora da Curva é Florian Bartunek. Ao pensar no livro, Bartunek como idealizador, busca trazer visões de diversos segmentos: ações, fundos hegde, renda fixa, imóveis e private equity. “Sempre acreditei que uma das melhores maneiras de evoluir pessoal e profissionalmente é encontrar pessoas de sucesso em suas áreas, entender por que elas têm sucesso e aprender com elas”.

Habituados a crises e mudanças bruscas de cenário, os nossos personagens sentiram na pele os pacotes econômicos malucos de anos atrás, a intensa volatilidade do dólar e da bolsa em alguns períodos, o vaivém dos juros e os impactos de crises internacionais no Brasil e contam como fizeram bons investimentos em meio às incertezas.

Na apresentação do livro, Guiliana Napolitano diz que esses depoimentos são inspiradores para quem está começando a carreira no mercado financeiro.

Complemento dizendo que a inspiração vai além: empresários, jovens, estudantes e pessoas que não desejam parar no tempo e querem modificar o seu entorno com ação, dedicação e inovação também podem e devem ler a indicação dos livros.

Fora da curva (2)

Em Fora da Curva 2, Lemann retoma o prefácio finalizando como iniciou no primeiro livro: “Sem correr riscos, não se chega a lugar nenhum”.

Complementa dizendo que o novo ambiente de negócios também é um desafio para os investidores. Para gerar retornos consistentes, os investidores precisam estar conscientes dos riscos e estudar a fundo a posição competitiva das empresas.

Uma maneira inteligente de se antecipar ao que pode acontecer é analisar a transformação de mercados mais modernos. Muita inovação tem sido criada na Ásia. Olhar o que se faz na China hoje é fundamental para entender o futuro de alguns setores.

Florian Bartunek diz que em sua empresa, tem paixão por aprender e ensinar. Escreve ainda que “todo ano nossos analistas de investimentos precisam obrigatoriamente fazer um curso no exterior. Somos figuras carimbadas em Harvard, Columbia, Stanford etc. Quanto mais aprendemos, mais queremos transmitir conhecimento”.

O recado final, fica por conta de Giuliana Napolitano e Pierre Moreau:

“Este livro foi escrito num momento singular. Os juros no Brasil estão historicamente baixos e, no exterior, taxas reais negativas deixaram de ser algo inédito para se tornar padrão em diversos países”.

Diz também que “como consequência, mais brasileiros estão pensando em sair, ou de fato saindo, da segurança da renda fixa para buscar rendimentos maiores em aplicações de maior risco. É justamente aí que os conselhos, os acertos e também os erros dos grandes investidores retratados neste volume podem ajudar”.

Conclusão: confinamento e leitura são antídotos essenciais para pensarmos fora da caixa e aprendermos com os grandes investidores. Fica a dica!

Thiago Goulart

Editor do Blog Valor Educação

>> Professor e jornalista pela PUC-SP com ênfase em economia.

e-mail: tgoulart@valorinvestimentos.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *