Conheça os principais tipos de análise em ações

Se você está começando seus investimentos na bolsa de valores agora, ou até mesmo se já tem alguma experiência, pode sentir insegurança em algum momento. Afinal, é comum ter dúvidas sobre como escolher os papéis — e também como identificar a hora de comprá-los ou vendê-los.

Buscar informações acerca da análise em ações é fundamental para basear boas escolhas. Do contrário, fica mais difícil identificar as oportunidades da bolsa. E pode até mesmo ter grandes prejuízos nos seus investimentos.

Quer aprender a fazer escolhas mais acertadas no mercado financeiro? Então leia este post até o final e descubra quais são os principais tipos de análise em ações à disposição dos investidores.

Como investir em ações?

Antes de tudo, vale a pena contextualizar um pouco sobre o investimento em ações. Provavelmente, você já sabe que adquirir os papéis de uma companhia é se tornar sócio dela, pois eles representam pequenas partes do capital social da empresa.

Assim, teoricamente, o investidor que negocia ações pode obter lucro com a valorização do negócio e enfrentar prejuízos com a desvalorização. Nós usamos o termo “teoricamente” porque, na verdade, essa não é a única forma de ganhar dinheiro ao investir.

Existem dois movimentos principais no mercado de ações: o que acontece no curto prazo e o de longo prazo. Em espaços de tempo curtos (dias ou semanas, por exemplo), o preço dos papéis passa por flutuações muito mais constantes — que dependem da lei de oferta e procura.

Isso significa que há grande probabilidade de o preço de uma ação apresentar importantes variações em poucas horas ou dias. Caso muitos investidores queiram comprá-las, o preço sobre. Se for o contrário, elas ficam mais baratas.

Já no longo prazo (anos), a tendência natural – embora não seja regra – é que os papéis de boas empresas subam de preço com o tempo. Afinal, as companhias estarão crescendo, ganhando mais mercado e aumentando seu valor. Com isso, quem escolheu ser sócio delas ficará feliz com os resultados.

Percebe como os movimentos do mercado são bem diferentes? Em consequência disso, existem diversos tipos de análises de ações.

A escolha entre eles depende do seu perfil e dos objetivos que você tem no mercado. Por isso, é importante conhecê-los antes de decidir qual tipo de análise em ações faz mais sentido para você.

O que é a análise técnica?

A análise técnica de ações visa, principalmente, o cenário de curto prazo. A maior premissa dessa estratégia está na reação do mercado ao que acontece com a economia e com as empresas – que é refletida no preço das ações.

Por exemplo, polêmicas envolvendo determinado negócio geralmente puxam o preço do papel para baixo. Desse modo, a análise técnica mantém o foco no preço de negociação dos ativos, não sendo necessário buscar mais informações sobre a empresa.

Além de entender que o preço reflete as reações do mercado, também há a premissa de que os movimentos no valor da ação costumam acontecer de forma cíclica e de acordo com tendências. Por isso, os gráficos são os principais instrumentos de análise.

Essa característica faz com que a análise técnica também possa ser chamada de análise gráfica. Com a ajuda dos gráficos, os investidores procuram entender as tendências atuais e prever as movimentações futuras.

Assim, eles podem decidir se compram ou vendem determinados papéis para obter lucro. Um exemplo é quando o investidor vê que uma ação tem chances de se valorizar e realiza a compra para vender mais caro quando a valorização acontecer.

Por um lado, a análise técnica pode atrair o interesse de parte dos investidores por ter um funcionamento simples, já que não se baseia em muitas informações sobre as empresas.

Por outro lado, ela pode envolver maiores riscos, pois lhe deixa mais exposto às variações do mercado. Afinal, suas previsões de alta ou queda nos preços podem estar erradas e lhe causar prejuízo.

Como funciona a análise fundamentalista?

Embora tenhamos citado os investidores quando explicamos a análise técnica, é muito comum que os usuários dessa estratégia sejam vistos como especuladores. Isso porque o interesse maior destes investidores com perfil especulador não é se manter como sócios de empresas, mas lucrar com as variações de preço.

No caso da análise fundamentalista, o intuito é o oposto. Os investidores que fazem uso dela estão interessados em identificar companhias sólidas, que ofereçam boas oportunidades de lucro no longo prazo.

E como uma empresa cresce no longo prazo? Tendo uma gestão eficiente, ofertando produtos ou serviços de qualidade, conquistando um público consumidor maior e ampliando seus lucros, certo? Pensando assim, a análise fundamentalista é uma forma de analisar o potencial de um negócio.

Ela se baseia em informações sobre a empresa para conhecer seus fundamentos. Logo, é considerada mais subjetiva do que a técnica.

Os investidores podem escolher diversos modos para avaliar o valor das companhias. Confira os principais tipos de análise fundamentalista em ações a seguir!

Fluxo de caixa descontado

Esse método busca identificar o valor intrínseco de uma ação a partir de um fundamento principal: o fluxo de caixa. A ideia é tentar avaliar qual será o fluxo de caixa da companhia no futuro e trazer o valor para o presente.

O valor é trazido para os dias de hoje por meio da determinação de uma taxa de desconto. Assim, o investidor identifica as projeções da empresa e calcula qual deveria ser o preço das ações no mercado atual.

Múltiplos

O método de múltiplos realiza a análise a partir de fundamentos do negócio, especialmente as informações sobre o lucro, receitas, despesas, etc. Um dos objetivos da análise é calcular o valor da ação para viabilizar a comparação com outras.

A partir dele, o investidor pode comparar papéis de companhias do mesmo setor e decidir qual delas lhe parece mais interessante.

Value investing

Por fim, o value investing é um método de análise fundamentalista que visa encontrar boas companhias que estejam com ações sendo negociadas por um preço mais baixo do que, de fato, valem.

Ele analisa fundamentos como os demonstrativos financeiros, o valor patrimonial e o lucro por ação para calcular o valor intrínseco do ativo. A partir daí, é possível comparar com o preço real e encontrar oportunidades de adquirir os papéis mais baratos.

Vale destacar, entretanto, que existem diversos outros tipos de análise em ações. Se você investe com foco no longo prazo, vale sempre a pena conhecer estas análises e identificar quais delas, de fato, se encaixam melhor ao seu perfil e objetivos na hora de investir.

O que podemos concluir?

Como você viu, os tipos de análise em ações — técnica e fundamentalista — são bem diferentes entre si. Eles partem de objetivos e métodos divergentes. Por isso, vale a pena avaliar com cuidado qual é o seu perfil de investidor e o que você busca na bolsa de valores.

Só assim será viável entender qual o tipo de análise que se adéqua melhor ao seu caso. E, nesse ponto, não há certo ou errado, mas sim a melhor estratégia para as suas necessidades.

Continue buscando informações para realizar escolhas cada vez mais eficientes na sua carteira de investimentos. Quer fazer os melhores investimentos em 2020? Saiba como clicando aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *