Custódia remunerada: como funciona o BTC?

Você já pensou em alugar as ações e outros ativos que possui na sua carteira de investimentos? Sabia que esta é uma prática possível na bolsa de valores?

Alugar papéis do seu portfólio é possível graças à custódia remunerada. E fazer isso pode ser vantajoso para muitos investidores — e o processo não é tão difícil.

Antes, no entanto, é preciso saber o que são e como funcionam a custódia remunerada e o BTC (banco de títulos) para realizar o aluguel. E é sobre esse assunto que falamos neste post.

Confira as informações que reunimos e entenda mais sobre o assunto!

O que é a custódia remunerada?

Custódia remunerada é a ação de disponibilizar determinados ativos financeiros para aluguel. Ou seja, eles compõem a sua carteira, mas ficam disponíveis para outros investidores temporariamente — enquanto você recebe uma taxa pela locação.

É possível alugar ações, ETFs, BDRs e outros ativos na bolsa. Para isso, você conta com a mediação de sua corretora de valores – que oferece justamente o serviço de custódia remunerada aos seus clientes.

Uma vez que seja informado seu interesse pela custódia remunerada, os ativos ficarão disponíveis no BTC. E o que é o BTC ou balcão de títulos?

O BTC é exatamente o ambiente onde os ativos ficam disponíveis para aluguel. Nele, os interessados em alugar ações ou outros produtos realizam a operação para pegá-los por meio de empréstimo.

As operações de aluguel acontecem na própria B3, a bolsa de valores brasileira. A B3 toma os cuidados pertinentes para garantir a segurança da operação. Por exemplo, autorizando a transação apenas depois que certas garantias são dadas pelo locatário.

Como a custódia remunerada funciona?

Você já entendeu o que são a custódia remunerada e o aluguel de ativos. Agora, vamos dar mais informações sobre o funcionamento desta operação.

Acompanhe!

Direitos de cada investidor

O aluguel é sempre firmado entre dois investidores. O que disponibiliza seus ativos é chamado de doador, enquanto o que os aluga é conhecido por tomador. Geralmente, os doadores são investidores que têm foco no longo prazo, enquanto tomadores desejam aproveitar oportunidades de curto prazo.

Com o aluguel, alguns direitos podem ser repassados temporariamente para o tomador durante o aluguel. Entretanto, os proventos recebidos durante o período devem ser pagos ao doador – que é o dono da ação.

Tipos de contratos

A operação de aluguel acontece por meio de um contrato envolvendo os dois investidores. Então, são estabelecidas as condições de remuneração e prazo, assim como as garantias que o tomador deve oferecer antes da operação.

Além de incluir os detalhes básicos da operação, o contrato de locação pode ser de dois tipos. O primeiro é o reversível ao tomador. Isso significa que o investidor que está alugando as ações pode encerrar o contrato antecipadamente.

Já em casos de contratos reversíveis ao doador, o que acontece é o contrário. Ou seja, o doador pode solicitar a liquidação da operação antes da data estabelecida como prazo. A opção costuma ser utilizada por investidores que possam ter interesse em vender os ativos a qualquer momento.

Estratégias de aluguel

Quem deseja fazer uso de ativos alugados pode se guiar por duas estratégias principais: long e short e venda a descoberto.  Na primeira estratégia, o tomador visa ganhar dinheiro a partir da relação entre a movimentação de dois ativos diferentes: enquanto espera-se a alta de um papel, aguarda-se a queda de outro, que é justamente o ativo alugado.

Já na venda a descoberto o objetivo do investidor é lucrar com a queda do papel alugado por ele no mercado.

Quais são as vantagens da custódia remunerada?

Tanto o doador como o tomador visam obter vantagens com o contrato de aluguel. Por isso, é possível dizer que há possibilidades de ser uma operação do tipo ganha-ganha. Mas é claro que isso depende das decisões tomadas por cada um.

Normalmente, as vantagens são maiores para o doador, pois ele tem o benefício de receber pelo aluguel e enfrenta riscos muito menores. Já o tomador – que normalmente está realizando atividades de especulação com os ativos – costuma ficar exposto a maiores riscos de perda.

Doador

Quem disponibiliza seus ativos para aluguel tem uma vantagem óbvia: receber dinheiro por este aluguel. Desse modo, a estratégia traz uma renda extra para investidores que focam no longo prazo e pretendem ficar com os ativos por bastante tempo.

Enquanto não faz parte dos seus planos se desfazer dos ativos, você pode disponibilizá-los para aluguel. Assim, ele continua com o direito a receber os proventos e ainda recebe uma taxa paga pelo tomador.

A segurança é mais uma vantagem para o doador na operação. Tudo é mediado pela corretora e garantido pela B3. O risco de não receber o pagamento ou os ativos de volta no prazo correto é reduzido com a definição de garantias.

Além disso, outro ponto positivo está no fato de que o doador é quem estabelece as condições de contrato — como o preço do aluguel e prazo de vencimento. Entretanto, é importante ficar de olho no Imposto de Renda: há incidência da tabela regressiva de IR sobre o valor obtido com o aluguel, tal como nos investimentos de renda fixa.

Tomador

A principal vantagem de quem toma ativos emprestados é a possibilidade de realizar operações especulativas e obter lucros no curto prazo. Especialmente a venda a descoberto – que consiste em uma estratégia para lucrar com a baixa do mercado.

Outro benefício em destaque é a oportunidade de alavancar suas operações. Isso aumenta as chances de ganho, já que torna possível ter lucros maiores do que o valor investido.

Mas vale reforçar que também existe alavancagem dos riscos. Em outras palavras, o especulador está, de igual modo, exposto a perder valores bem maiores do que o investido.

Por fim, um ponto que merece atenção dos tomadores é o custo da operação. Geralmente, é preciso pagar taxas de corretagem, emolumentos e taxa de registro da B3. Tudo isso além do valor do aluguel.

E há também incidência de IR sobre os rendimentos das operações feitas com os ativos alugados. Portanto, muita atenção na hora de fazer suas operações.

Conclusão

Neste artigo você acompanhou as principais informações que precisa saber para realizar transações de aluguel de ativos.

Ficou interessado em utilizar o BTC e disponibilizar seus investimentos para locação? Basta verificar como habilitar essa opção na sua corretora de valores. Em caso de dúvidas, entre em contato com seu assessor de investimentos.

Ao informar que tem interesse em colocar os ativos em custódia remunerada, a instituição fará a mediação do aluguel. Assim, eles ficarão disponíveis no BTC para investidores interessados. E você poderá aumentar seus ganhos a partir do recebimento do aluguel pelas suas ações.

Quer continuar aprendendo? Então aproveite sua visita ao blog para saber mais sobre renda variável. Veja as diferenças entre ações small, mid e large caps!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *