Desenvolvimento do Mercado de Capitais no Brasil

Quando se fala em mercado de capitais, muitas pessoas logo pensam em ativos, como as ações ofertadas pela Bolsa de Valores. Na verdade, o mercado de capitais vai muito além do investimento em ações. Além disso, pode ajudar a impulsionar as empresas brasileiras e os índices sociais do país. As debêntures, por exemplo, despontam como uma das formas de incentivar o crédito privado, fomentando empresas que atuam no setor de infraestrutura.

No atual momento em que o país necessita de avanços na economia e sanar a crise fiscal, o mercado de capitais tem se tornado uma das formas de retomada do crescimento econômico, diminuição da taxa de desemprego e aumento da renda per capita.

O que tem chamado atenção no Brasil é a grande possibilidade que o investidor brasileiro pode conseguir para ter maiores rentabilidades e ativar seu conhecimento dentro do mercado, já que as taxas de inflação e Selic estão em baixa histórica, além do fato dos juros estarem controlados.

Neste texto, você vai encontrar as formas como o mercado de capitais pode ajudar o país a se desenvolver e como o financiamento privado pode ser protagonista nesse processo.

Mercado de capitais como progresso econômico

O protagonismo do mercado de capitais tem ocupado um espaço cada vez mais relevante na economia brasileira viabilizando as operações típicas de financiamento privado, tanto por meio de títulos, quanto de valores mobiliários. Além disso, tem impactado positivamente os principais indicadores socioeconômicos do país.

Em outras palavras, a essência dessas operações são:

. canalizar a poupança da sociedade para suprir as necessidades das companhias por recursos;

. ao fazer essa alocação de maneira eficiente, por meio de instrumentos que atendam às demandas específicas de investidores e empresas, o mercado de capitais gera benefícios para toda a sociedade, a começar por um retorno mais adequado ao risco de projetos de investimento.

Forma-se, assim, um ciclo virtuoso que estimula a disponibilidade de capital, proporciona liquidez para empresas e investidores, oferece prazos adequados para pagamento de dívidas, reduz o custo de capital e, consequentemente, melhora as taxas de retorno dos investimentos.

A economia brasileira já conta com um mercado bem organizado em pleno desenvolvimento, com infraestrutura e aparatos regulatório e autorregulatório adequados e reconhecidos internacionalmente. Esse desempenho tem contribuído para o fomento ao financiamento de longo prazo em uma economia que precisa urgentemente viabilizar maiores taxas de investimentos.

Financiamento a longo prazo

O Estado brasileiro precisa direcionar os recursos públicos cada vez mais escassos para saúde, educação, deixando ao setor privado que se encarregue de financiar áreas com capacidade de levantar recursos via instrumentos privados de captação nos mercados de ações e dívida corporativa.

A partir da grave questão fiscal enfrentada pelo governo nos últimos anos, é importante adotar medidas para que o mercado de capitais absorva parcelas cada vez maiores do financiamento de setores como transporte, telecomunicações, energia elétrica e saneamento. Todos esses segmentos carecem de grande aporte de investimentos para atender às demandas de bem-estar social e vencer as deficiências que impactam a produtividade brasileira.

A escassez de fontes privadas de financiamento a longo prazo faz com que grande parte das empresas se financiam majoritariamente com recursos próprios. Está aí, um dos gargalos ao desenvolvimento econômico do Brasil.

Segundo estudos da Anbima, mesmo quando vão a mercado, as companhias não têm por objetivo se capitalizar para investimento: o refinanciamento de passivo e o capital de giro são os principais destinos dos recursos obtidos via emissão de dívidas. Essa ausência de capital de longo prazo restringe investimentos em novos projetos.

Contudo, uma das principais fontes de financiamento de projetos, o BNDES, tem registrado queda, refletindo consequentemente a menor disponibilidade de recursos. Por outro lado, a fatia do mercado de capitais no financiamento a longo prazo, apesar de tímida, cresce desde 2016.

Para termos uma ideia em números oficiais, o mercado de capitais respondeu por 13,2% dos recursos que financiaram os investimentos de empresas em 2017. O impulso foi dado pela baixa da taxa de juros, pela menor oferta de crédito público, além da queda de financiamento do BNDES.

Por fim, países nos quais o mercado de capitais tem maior protagonismo na economia, em geral, alcançam melhor desempenho em termos de crescimento econômico e desenvolvimento social. Toda a sociedade é beneficiada à medida que o mercado de capitais cumpre aquelas que são suas quatro principais funções: mobilização da poupança, gestão de riscos, alocação eficiente de recursos, e aumento da disciplina corporativa.

 

Assine nossa newsletter para receber indicação de conteúdos como esse.

tipos de investimentoPowered by Rock Convert

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *