ESG: o que é e por que investidores precisam ficar de olho nele?

O termo ESG está em destaque no mercado. Ele sintetiza critérios de atuação das empresas em áreas que são cada vez mais valorizadas por investidores no momento de investir seu capital. Estamos falando de questões ambientais, sociais e de governança.

Tais fatores podem ter grande influências no valor de uma companhia. Eles também podem ajudar a identificar empresas com um modelo de negócios competitivo para o futuro. Ou seja, caracterizam organizações que podem ser bem-sucedidas no longo prazo.

Neste artigo, você entenderá o que é ESG e por que pode valer a pena que os investidores considerem este fator ao investir. Vamos lá?

O que significa ESG?

A sigla ESG vem do inglês Environmental, Social and Governance. Em português, os termos significam “ambiental, social e governança”. Assim, empresas ESG são aquelas com modelos de negócios pautados na sustentabilidade e na responsabilidade social.

Isso significa que, junto às missões e operações, as companhias possuem o propósito de transformar o mundo em um lugar melhor. Para isso, respeitam normas ambientais e administrativas. Assim, o conceito ESG vem se tornando cada vez mais forte na sociedade.

Os três elementos que formam o ESG também passaram a ser utilizados como critérios de análise por investidores. Assim, a avaliação de um investimento pode incluir o impacto que ele causa na sociedade, além de também considerar seu risco e rentabilidade.

Por que o ESG é importante?

O aumento da preocupação com a sustentabilidade vem sendo gradativo nos últimos anos. Assim, ele faz com que práticas sociais, ambientais e de governança das empresas sejam valorizadas quando o assunto é investimento.

Com isso, as empresas têm enfrentado diversas exigências de seus stakeholders. Em especial, relacionadas à transparência sobre suas relações com o meio ambiente, com os colaboradores, com a sociedade e com a ética nos negócios.

Muitas vezes, a escolha dos ativos para compor a carteira dos investidores prioriza empresas com modelos de administração alinhados à responsabilidade social e ambiental. O foco também está nas companhias com boa governança corporativa e boas perspectivas de crescimento.

O aporte em ativos de negócios com tais características tem ganhado mais adeptos não apenas por parte dos investidores. Os gestores de fundos também identificam oportunidades ao focar em empresas com práticas sustentáveis.

O resultado disso é que existem fundos voltados para investimentos em ações de empresas ESG. Assim, ele está deixando de ser uma tendência e vem se tornando uma realidade cada vez mais forte no mercado.

Quais são os critérios ESG?

Os critérios ESG têm a função de apoiar o processo de análise e seleção dos investimentos. Mas eles não são considerados de forma homogênea. Afinal, uma empresa de software não pode ser avaliada da mesma forma que uma no setor de energia, por exemplo.

Para monitorar os critérios, são utilizadas as informações das empresas — obtidas por meio das declarações financeiras publicadas periodicamente. Também são consideradas notícias e fenômenos importantes para as empresas.

Se for divulgada uma informação expondo determinada companhia por conexão com esquemas de corrupção e fraude, por exemplo, o mercado pode reagir imediatamente. Práticas do tipo são mal vistas por muitos participantes do mercado e da sociedade.

Logo, um analista de investimentos precisa estar atento a tudo que é divulgado na mídia e nos documentos oficiais das empresas para identificar aquelas que têm, de fato, responsabilidade social e ambiental.

Quer saber quais são os critérios utilizados na análise de investimentos ESG? Conheça cada um deles a seguir:

E – Environmental (Ambiental)

O fator ambiental se refere a práticas relacionadas ao meio ambienta e à natureza. Por exemplo, como a empresa descarta seu lixo, usa a energia, quais emissões estão envolvidas nos seus processos produtivos etc.

Veja alguns exemplos de elementos considerados:

  • pegada de carbono;
  • possíveis emissões tóxicas;
  • fontes da matéria-prima;
  • uso de energia renovável;
  • prática de gestão de resíduos.

S – Social

O social se refere, claro, às pessoas e à sociedade. Então, está ligado, por exemplo, aos direitos dos colaboradores, à diversidade no quadro de funcionários, aos cuidados com a segurança no trabalho, ao relacionamento com a comunidade, entre outros.

Alguns fatores são:

  • condições de trabalho;
  • segurança e qualidade do produto;
  • capital humano;
  • segurança química.

G – Governance (Governança)

Por fim, a governança trata do sistema de políticas e práticas pelas quais as empresas são controladas e direcionadas. Por exemplo:

  • estrutura da diretoria;
  • solidez financeira;
  • metodologia de contabilidade;
  • diversidade no conselho;
  • ética nos negócios.

Quais são as vantagens dos ESG para os investidores?

Existem muitas vantagens de usar os critérios ESG na hora de investir. Entre elas, está a transparência que as informações trazem quando adicionadas ao conjunto de referências que orientam o processo de tomada de decisão.

Os fatores fornecem dados sobre como as empresas conduzem seus negócios. Assim, podem gerar mais confiança para os investidores. Além disso, podem indicar que o investimento feito será sustentável em longo prazo.

O uso dos critérios ESG pode funcionar como um mitigador de risco. Afinal, escolher uma companhia com o fator ambiental alto pode significar que ela está preparada para a tendência mundial de sustentabilidade. Logo, estaria mais bem posicionada em relação aos seus concorrentes.

Além disso, uma empresa com os critérios de governança e fator social altos também costuma se beneficiar. Algumas consequências possíveis são: funcionários engajados e capacitados, cultura diversa e inovadora, resultados positivos para o negócio etc.

Como investir em empresas ESG?

Se você deseja utilizar os critérios ESG ao investir, saiba que o mercado já oferece diversas opções de investimentos sustentáveis e rentáveis. A própria bolsa brasileira, B3, tem índices que reúnem companhias com padrões de governança mais altos.

Outras possibilidades são fundos de investimentos ou Certificados de Operações Estruturadas (COEs), Alguns deles escolhem empresas que atendam parâmetros de desenvolvimento sustentável.

No exterior, existem ETFs que acompanham papéis ESG. O Índice Dow Jones de Sustentabilidade, por exemplo, avalia o desempenho de empresas preocupadas com o meio ambiente e questões sociais.

A XP Inc. também tem investido para se adequar às melhores práticas de impacto ambiental e social. Com ações negociadas na Nasdaq, a companhia criou uma diretoria ESG.

Agora que você já sabe do que se trata o ESG, é possível incorporar os critérios ao montar uma carteira de investimentos. Para quem investe com foco no longo prazo, pode ser uma estratégia para equilibrar os riscos e as possibilidades de retorno em um portfólio balanceado.

Gostou de saber mais sobre o assunto? Então complemente a leitura e saiba como investir em empresas de qualidade na bolsa de valores!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *