Especulação financeira: o que é e como funciona?

O mercado financeiro é um ambiente conhecido por oferecer inúmeras oportunidades para investidores – que buscam encontrar bons investimentos para curto, médio e longo prazo. Este mercado, entretanto, é também um local bastante interessante para especuladores – interessados em obter bons lucros em um curto espaço de tempo, a partir das oscilações de preço e volatilidade do mercado.

E, diferente do que muita gente possa pensar, a especulação financeira não é apenas uma prática comum e legal, como também uma atividade muito importante para o próprio funcionamento do mercado em si. Por isso, vale a pena saber o que é esta prática e entender como a especulação funciona no dia a dia dos mercados mundiais.

No artigo de hoje você conhecerá um pouco mais desta atividade – que esteve presente em diversos acontecimentos do mercado mundial e que segue fazendo parte do mercado financeiro ao redor do planeta. Continue a leitura e saiba mais!

O que é a especulação financeira?

A especulação financeira nada mais é que a atividade de apostar na valorização ou desvalorização de um ativo – a fim de obter lucros acima da média no mercado, em um curto espaço de tempo. A partir desta prática, o especulador se expõe a mais riscos e faz operações a partir de perspectivas de alta ou queda no preço de um ou mais ativos.

Por ter um papel fundamental no funcionamento do mercado financeiro e da bolsa de valores – uma vez que participam ativamente do processo de oscilação e volatilidade dos preços, os especuladores costumam ser mencionados em literaturas especializadas como um dos principais agentes deste ambiente financeiro – juntamente com os investidores.

Para se ter uma ideia, o processo de especulação financeira e o papel do especulador já eram citados em uma obra escrita em 1668: no livro “Confusions of Confusions, de Joseph de la Veja – considerada a literatura mais antiga sobre bolsa de valores de que se tem conhecimento.

O investidor e especulador norte-americano Jesse Livermore – um dos maiores especuladores financeiros de toda a história – dizia que o objetivo do especulador “não é garantir um retorno consistente ao capital aplicado em uma boa taxa de juros, mas sim lucrar tanto no aumento quanto em uma queda de qualquer mercado no qual ele possa estar especulando”.

Esse processo, portanto, só é possível a partir da flutuação de preços – e não tem qualquer relação com investimentos visando o curto, médio ou longo prazo, como faria um investidor comum.

Como funciona a especulação financeira?

Diferente de um investidor – que escolhe investimentos para curto, médio e longo prazo, a partir de análises fundamentalistas e definição de objetivos pessoais e perfil de investimento, o especulador se concentra, normalmente, em operações de curtíssimo prazo e em análises gráficas. Atualmente existem dois tipos principais de especulação financeira na bolsa de valores.

Conheça a seguir um pouco mais sobre cada um deles:

Day trade

O primeiro tipo de especulação financeira na bolsa de valores é que chamamos de day trade. No day trade, o objetivo do operador é abrir e fechar operações na bolsa de valores em um mesmo dia – em busca de ganhos a partir da movimentação dos preços de um determinado ativo durante um único pregão.

Estas operações costumam durar minutos ou até mesmo horas, mas são encerradas sempre no mesmo dia. Os riscos destas operações são bastante elevados, enquanto as chances de altos ganhos também são maiores na comparação com especulações de prazo maior.

Swing trade

As operações em swing trade também são consideradas modalidades de especulação no mercado financeiro. Quem faz swing trades espera manter uma determinada posição em um ativo por dias ou durante algumas semanas – visando sempre obter boas rentabilidades a partir das movimentações dos preços dos ativos, como é o caso das ações.

Na comparação com o day trade, os riscos são um pouco menores nas operações de swing trade na bolsa de valores – sobretudo por conta do tempo de duração da operação, que não é aberta e encerrada em um único dia.

Seja qual for o caso, o foco de quem especula no mercado financeiro é garantir boa rentabilidade em um período curto de tempo – sem se preocupar com montagem de carteira e investimentos vislubrando o longo prazo. Por conta disso, o especulador costuma monitorar, com freqüência, a variação de preços de ativos financeiros – como ações, contratos futuros, mini contratos, entre outros, em busca de oportunidades para operações.

A especulação financeira na crise de 1929

A especulação financeira, inclusive, foi uma das principais protagonistas de um dos episódios mais conhecidos da história mundial: o crash da bolsa de Nova York, nos Estados Unidos, no ano de 1929.

A queda da bolsa de Nova York ocorreu em um contexto de intensa especulação no mercado dos EUA, no qual havia muita especulação em torno das ações listadas em Wall Street na época.  Quando o preço dos papéis despencou rapidamente, a euforia dos especuladores e dos investidores causou a quebra da bolsa – que caiu fortemente, em um evento que resultou em uma profunda crise e recessão na economia norte-americana durante anos.

A especulação financeira no Brasil

No Brasil, os principais especuladores do mercado financeiro se concentram na bolsa de valores brasileira – B3. É a partir das operações na bolsa que os especuladores do mercado brasileiro compram e vendem ações, contratos futuros, commodities, e outros produtos financeiros – sempre buscando altos retornos em pouco tempo.

Também é comum ver forte atuação destes especuladores em situações nas quais há alta volatilidade no mercado de ações nacional e/ou internacional, oriunda de eventos ou notícias que impactam diretamente os preços dos ativos negociados em bolsa.

Os riscos da especulação financeira

Apesar de ser uma atividade bastante atraente em um primeiro momento – e apesar da sua importância para o mercado financeiro, é preciso ter em mente que há riscos envolvidos quando o assunto é especulação financeira. Estes riscos estão intimamente ligados ao prazo das operações – que, como você já sabe, costuma ser bastante curto – e às projeções e estimativas de movimentação dos preços, que podem ou não se concretizarem.

Por isso, antes de especular no mercado financeiro, é fundamental que o interessado tenha em mente que, ao mesmo tempo em que existem grandes oportunidades para ganhos substanciais, há grandes chances de perdas importantes de capital.

Se ainda assim você se sentir preparado para buscar por ganhos no mercado financeiro a partir da especulação financeira, não deixe de definir uma estratégia de operação e procure segui-la à risca.  Lembre-se também de utilizar todos os mecanismos de proteção disponíveis para especuladores no mercado e jamais negligencie a gestão de risco dos seus aportes.

E você, já especulou ou costuma fazer especulações no mercado financeiro? Deixe seu comentário e compartilhe conosco suas estratégias de especulação financeira!

Assine nossa newsletter para receber indicação de conteúdos como esse.

tipos de investimentoPowered by Rock Convert

Um comentário em “Especulação financeira: o que é e como funciona?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *