Long & Short: o que é e como funciona?

É comum que investidores acostumados a investir na renda variável entendam como acontece o lucro na bolsa de valores quando os ativos se valorizam.

Mas você sabe que é possível ter bons resultados financeiros com atividades de especulação mesmo quando o mercado não está em crescimento? Ou seja, que você tem a possibilidade de obter lucro ainda que o mercado de ações esteja em queda ou em estabilidade.

Existem algumas estratégias que possibilitam este cenário. Uma delas é o Long & Short.

Confira nossas informações para saber como o Long & Short funciona e saiba como ampliar os seus horizontes na bolsa!

O que é o Long & Short?

A operação de Long & Short envolve duas posições do investidor: estar comprado em uma ação (long) e vendido em outra (short). Isso deve acontecer ao mesmo tempo, de modo que os papéis sejam sempre avaliados em pares.

Em outras palavras, você não estará analisando o potencial que uma ação tem para crescer, mas a relação entre os dois papéis. Assim, seu lucro não estará atrelado à valorização de um papel individualmente, e sim à correlação entre os dois ativos que estão sendo negociados.

Está exatamente aí a chance de lucrar com o mercado em equilíbrio ou em baixa. Afinal, não é necessário que determinada ação apresente valorização. O que se precisa é que o ativo comprado tenha melhor performance do que o vendido.

Imagine que você analisou as ações A e B e acredita que A terá melhor desempenho que B. Seu lucro está atrelado a essa condição, independentemente do cenário.

Isso significa que é possível ter bons resultados nas seguintes situações:

  • Ambas as ações se valorizarem, mas A crescer mais que B;
  • A se valorizar enquanto B se desvaloriza;
  • A permanecer no mesmo patamar e B sofrer queda;
  • Os dois papéis caírem, mas A se desvalorizar menos que B.

Percebe que nas duas ultimas situações o investidor tem lucro mesmo quando as ações não apresentam crescimento? Tal fato ocorre porque os ganhos foram atrelados à relação entre os papéis. Nesse caso, o movimento do mercado de maneira geral tem menos importância.

Como o Long & Short funciona?

Já falamos que a operação combina a compra e venda de dois ativos diferentes. Entretanto, é importante ter em mente que não se tratam de quaisquer ações. O Long & Short deve ser montado com papéis que tenham correlação entre si.

A correlação pode ser apenas estatística ou pode existir como consequência de relações práticas. Por exemplo, ativos de companhias do mesmo setor ou ações ordinárias e preferenciais de uma mesma empresa.

Além disso, a relação pode ser no mesmo sentido (quando ambos os papéis costumam subir ou descer juntos) ou em sentido oposto — quando uma ação sobe, a outra desce e vice-versa.

Em correlações que acontecem no mesmo sentido, a ideia principal do Long & Short é que existem algumas distorções em certos momentos do mercado. Entretanto, elas tendem a ser corrigidas posteriormente.

Então, tais períodos são oportunidades para os especuladores. Ou seja, eles aproveitam as distorções para realizar a operação e lucrar com a correção delas no futuro.

Para que o Long & Short aconteça é preciso realizar o aluguel de ações. Os papéis alugados serão utilizados em uma venda a descoberto. Com o dinheiro da venda (ponta short), o investidor compra outras ações (ponta long).

Depois de alcançar seus objetivos, ele desfaz a posição: vende os papéis que comprou e recompra as ações alugadas para devolver ao proprietário. A diferença entre o valor que gastou e o que recebeu é o lucro da operação.

O Long & Short é vantajoso?

Como qualquer atividade de investimento ou especulação na bolsa, o Long & Short apresenta pontos positivos e negativos a considerar. Assim, a resposta sobre se ele é ou não uma operação vantajosa depende da avaliação de cada investidor.

Um dos principais aspectos interessantes de fazer operações de Long & Short na bolsa de valores é a possibilidade de adotar uma estratégia não direcional. E o que isso quer dizer? Que seus ganhos não dependem da direção do mercado.

Como falamos, é possível obter lucro mesmo com os ativos em queda ou estacionados. Afinal, o que importa é a relação entre suas posições compradas e vendidas. Se houver grandes quedas na bolsa, mas seu papel long cair menos que o short, o resultado é bom.

Outra vantagem é conseguir aproveitar variações opostas no mercado. Se a alta do dólar afeta de maneiras diferentes os ativos, você é capaz de montar operações que aproveitem esse fator.

Mais um ponto positivo é que o Long & Short permite alavancagem. Não é preciso que o investidor coloque muito dinheiro em jogo, pois ele utiliza os recursos da venda para realizar a compra. Assim, basta oferecer as garantias exigidas no aluguel.

Quais são as desvantagens?

Sem dúvida, uma das maiores desvantagens da operação de Long & Short é o seu risco. Por se tratar de uma transação que aproveita as oscilações da renda variável e usa a alavancagem, o investidor se expõe a riscos maiores.

Por isso, é muito importante fazer análises contundentes para saber quando começar ou sair de uma posição. Além disso, é válido pensar em ferramentas para limitar os possíveis prejuízos — é o caso do stop loss, que estabelece um valor máximo a perder.

Outra desvantagem é que a construção da sua estratégia depende da disponibilização do ativo short para aluguel. Também é necessário pensar nos custos: há o valor a pagar pela locação e as taxas de corretagem e emolumentos nas operações de compra e venda, além do Imposto de Renda.

Como fazer operação Long & Short?

Existem duas principais oportunidades para quem deseja utilizar o Long & Short: fazer as operações por conta própria ou adquirir cotas de um fundo de investimentos que se guie por essa estratégia.

Caso sua escolha seja por organizar as próprias transações, o primeiro passo é identificar os pares de ações com os quais deseja especular. Depois, será hora de alugar o papel short e realizar a venda a descoberto dele.

Com o dinheiro da venda, você compra as ações da posição long no mercado à vista. Então, acompanha as movimentações e, quando alcançar seu objetivo, inverte a posição — vendendo as ações que comprou, comprando as que vendeu e desfazendo o aluguel.

Em caso de dúvidas, vale a pena buscar informações adicionais junto ao atendimento da sua corretora.

Mas atenção! Fique atento ao seu perfil de risco antes de se lançar em operações de Long & Short. Elas são indicadas para investidores arrojados. Logo, tenha em mente que saber lidar com o risco é um requisito relevante para ter sucesso com especulação na bolsa de valores.

Quer aprofundar seu conhecimento sobre renda variável? Saiba como o índice Ibovespa pode bater recorde em 2020!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *