O melhor gestor do seu dinheiro… É você mesmo!

Há no mundo das finanças diversos estudos acerca da Teoria do Agente Principal. Numa explicação resumida, pode-se dizer que ela discorre sobre os conflitos de interesse entre os gestores e os donos do capital. Seja numa empresa, seja num fundo de investimento.

Ao investir, o seu objetivo é maximizar o retorno sobre o seu capital, assumindo riscos compatíveis com o seu perfil, e apenas você sabe qual risco está disposto a assumir em cada momento da sua vida.

Há um entendimento generalizado, e errado, na sociedade de que aplicações de renda fixa, sejam elas quais forem, não apresentam risco de perda de capital. Isto é um erro grande. É possível lembrar, por exemplo, de um banco estadual que apresentava um desempenho sempre superior à média do mercado em suas aplicações, até que um dia o Banco Santos quebrou e os fundos banco estadual afundaram. Ali estava o segredo daquele retorno anormal: uma grande quantia aplicada em CDBs do Banco Santos, que, com dificuldade de captar dinheiro, oferecia taxas bem acima das de mercado.

Conflito de interesses: gestores do mercado e gerente de banco
Além do gerenciamento dos riscos de sua carteira, ainda temos um conflito de interesses claro sobre os gestores do mercado e principalmente sobre o gerente do seu banco.

Quem paga o salário destes é a instituição pela qual são contratados, ou seja, eles estão ali para, em primeiro lugar, zelar pelos seus próprios interesses, garantir seus empregos e o lucro do patrão – depois disso tudo é que deverão pensar no que é melhor para você.

Uma pesquisa realizada recentemente, sobre fundos de renda fixa nos grandes bancos de varejo nacionais, é de assustar: as taxas de administração, na maioria dos casos, são exorbitantes e injustificáveis. Há um fundo com uma taxa de 5,5% ao ano e com um patrimônio enorme, ou seja, há muita gente perdendo dinheiro ali.

A revista Exame elaborou um ranking de fundos de investimento do ano de 2013. Em primeiro lugar ficou um fundo do Itaú, que você não encontrará no site do Banco Itaú, com um retorno anual de 8,3%, taxa de administração de apenas 0,3% e uma aplicação mínima de R$5.000, ou seja, um fundo acessível para todos que se dispuserem a pesquisar um pouco na internet e ter acesso a ele. No site do Tesouro Direto e, com o histórico das cotações das Letras do Tesouro Nacional, pode-se verificar que com alguns cliques é possível comprar uma LFT em 02 de janeiro e vendê-la em 31 de dezembro com um retorno de 7,8%, já descontando as taxas da corretora com a qual opero. Veja que, com um mínimo de esforço, fiquei apenas 0,5% atrás do melhor fundo do mercado.

Anime-se! Sem muita dificuldade, seria possível tanto para mim quanto para você superarmos o retorno líquido do fundo do Itaú.

Caso tenha interesse, você pode acessar a lâmina do fundo do Itaú aqui.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *