O que são os Fundos DI?

Como já vimos em outros textos, os Fundos de Investimentos são produtos financeiros em que o investidor delega a uma equipe de especialistas (gestores, economistas e analistas) seus recursos que serão geridos e alocados em uma classe de ativos.

Dentre os diversos tipos de fundos, há os que são preferenciais entre os investidores brasileiros e sobre os quais iremos abordar aqui. Trata-se dos Fundos DI.

Neste artigo, você vai encontrar as principais características dos Fundos DI.

Boa leitura!

Fundos DI como proteção de patrimônio

Segundo a classificação da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA), o Fundo DI enquadra-se dentro dos Fundos de Renda Fixa.

A título de curiosidade, antigamente o Fundo DI era conhecido como Fundo Referenciado DI. Ainda é possível lermos esta última nomenclatura em alguns lugares. De todo modo, quem procura este tipo de fundo tende a possuir um perfil mais conservador. E por que isso?

Alguns pontos diferenciais do Fundo DI são o fato de que ele ajuda a proteger o patrimônio ao longo do tempo, com baixo risco e rentabilidade superior à poupança. Contudo, é bom frisar que essa rentabilidade não é muito superior ao da poupança, ou seja, é baixa.

Outro ponto importante trata-se da composição do fundo, ou seja, este fundo de investimento possui, ao menos, 95% de investimentos em títulos (públicos ou privados) atrelados ou à taxa básica de juros da economia (Selic) ou indexados ao CDI – taxa que acompanha a variação da Selic. Dessa forma, o rendimento desses fundos acaba seguindo o comportamento da Selic que, nos dias atuais, está em 6% ao ano.

A composição da carteira é majoritariamente alocada em Títulos Públicos Federais, a exemplo do Tesouro Selic. Justamente por ter essa posição, boa parte dos Fundos DI conta com liquidez diária. Isso quer dizer que o investidor pode resgatar o montante investido a qualquer momento.

Reserva de emergência e taxa de administração

Os Fundos DI são excelentes instrumentos para formar o que chamamos de reserva de emergência, além de contribuir para objetivos de curto prazo, como viajar daqui a um ano.

Segundo a ANBIMA formar uma reserva financeira significa poupar regularmente um determinado valor com o objetivo de criar um fundo para ser usado em situações imprevistas ou oportunidades que aparecem. É uma espécie de “colchão de segurança” tanto para casos como a perda de emprego como para não perder uma oportunidade, como a chance de realizar um intercâmbio.

Como todo tipo de fundo, o Fundo DI possui taxa de administração. Essa taxa é cobrada com o objetivo de remunerar a equipe envolvida na gestão, administração e distribuição do fundo. A taxa em questão pode variar em torno de 0,2% a 0,5%.

No entanto, como a gestão desse fundo costuma ser mais simples em relação a outras modalidades, não há incidência da taxa de performance.

Fundo DI ou Tesouro Selic?

Um dos principais diferenciais do Fundo DI é a liquidez. Se levarmos em conta os custos, uma boa opção pata ter liquidez diária com custo menor é investir diretamente nos Títulos Públicos que fazem parte da carteira de grande parte dos Fundos DI, como por exemplo o Tesouro Selic.

Com a menor volatilidade entre os papeis da dívida pública, o Tesouro Selic é recomendado para quem está formando uma reserva de emergência e pode precisar de resgate dos recursos antes da data de vencimento.

Quer continuar aprendendo sobre investimentos? Assine nossa newsletter e receba conteúdos como este no seu e-mail.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *