Robôs de investimento: entenda como funcionam e se valem a pena ou não

Você sabe como robôs de investimento podem ajudar na hora de aplicar seu dinheiro? Quem nunca ouviu falar nessa opção pode, em um primeiro momento, estranhar que esse tipo de tecnologia colabore para os investidores. Já quem tem mais conhecimento sobre o assunto fica na dúvida se vale a pena ou não contar com essa ferramenta.

Por isso, neste conteúdo explicaremos o que são esses robôs de investimento, como eles atuam e de que forma afetam a vida do investidor, tanto positiva quanto negativamente. Tenha uma boa leitura.

O que são os robôs de investimento?

Robôs de investimento não são feitos de metal e nem mesmo têm a forma humana pela qual os conhecemos dos filmes de ficção científica ou desenhos animados. Nem por isso eles deixam de desempenhar um papel interessante.

Na verdade, robô de investimento é o termo que define, de forma até mesmo genérica, os sistemas automatizados que têm como objetivo gerir recursos sem que seja necessária intervenção humana constante.

Esses sistemas (chamados de algoritmos, no jargão técnico) pegam as informações fornecidas pelo investidor e, a partir disso, definem como a carteira de investimentos deve ser composta e gerida, utilizando a inteligência artificial.

Muitos dos robôs de investimento disponíveis no mercado atualmente são oferecidos pelas chamadas fintechs (dos termos em inglês financial e technology), empresas de tecnologia que prestam serviços financeiros.

Todavia, nem todos os robôs atuam de forma igual. No Brasil, país no qual essa tendência começa a ganhar espaço, existem dois tipos principais de robôs à disposição no mercado, cada um cumprindo funções diferentes.

O primeiro deles é o chamado robô trader, que tem como principal função comprar e vender ações de forma automática, acompanhando as oscilações comuns desse tipo de investimento e seguindo ordens preestabelecidas.

Assim, os sistemas desse tipo imitam a função dos traders, investidores que operam na bolsa de valores sempre com operações de curtíssimo prazo visando otimizar o seu lucro — o que é conhecido como day trade.

O segundo tipo de robô é chamado de advisor. Esse robô é programado para focar no longo prazo — diferentemente do que acontece com os traders —, ajudando a seguir uma estratégia de investimentos previamente definida, estabelecida com base em critérios precisos.

Como eles ajudam os investidores?

Embora contem com tecnologia avançada, os robôs de investimento não funcionam sem que antes sejam alimentados com informações a respeito do investidor que os escolheu. Todos os sistemas que usam a inteligência artificial funcionam com base nesse princípio.

Basta pensar em um sistema de recomendação de músicas, que entende melhor seus gostos à medida que você ouve mais canções.

Para isso, por meio do suitability, as empresas que oferecem esse tipo de serviço devem fazer os interessados preencherem um formulário, no qual responderão questões que dizem respeito às suas condições financeiras, aos seus objetivos de vida, ao seu momento profissional e ao seu perfil de investidor.

Como essas informações servirão de base para calibrar a atuação do robô, é importante que elas sejam fornecidas com sinceridade.

Com os dados coletados, o robô começa a trabalhar para fazer a sua parte. Cruzando as informações, ele define qual é a melhor combinação de investimentos que podem ser feitos de acordo com o perfil estabelecido a partir das respostas fornecidas por você.

Dessa forma, se o perfil construído com base nos seus dados indicar um comportamento mais conservador, provavelmente a combinação de investimentos priorizará aplicações de baixo risco em renda fixa. Já se houver uma aptidão maior para investimentos mais arriscados, essa indicação será priorizada pelo robô na hora de definir a composição da carteira de investimentos.

Com a conta aberta na empresa que oferece o serviço de robôs de investimento, basta fazer os aportes para que o dinheiro comece a ser aplicado. Em todo o processo os valores ficam vinculados ao CPF do investidor, o que evita problemas caso a empresa vá à falência ou sofra problemas similares.

Como as fintechs e corretoras que oferecem esse tipo de serviço ganham dinheiro? A remuneração, na maioria dos casos, é feita por meio do pagamento de uma pequena taxa sobre o valor investido. Além disso, a maioria delas exige um valor mínimo para quem quer começar. Esses dois aspectos são bem importantes e devem ser considerados com cuidado na hora de escolher a empresa.

Quais são as vantagens de contar com os robôs de investimento?

Afinal, vale a pena investir com o auxílio dos robôs? Como quase tudo quando o assunto é investimento, a resposta depende de uma série de fatores — a maioria passa por entender seu comportamento na hora de lidar com as aplicações financeiras. Contudo, de forma geral, é possível apontar alguns dos benefícios dessa opção.

O principal é conseguir investir com uma carteira personalizada, o que seria difícil se isso fosse feito por conta própria (principalmente para aqueles sem muita experiência no mercado) ou utilizando os serviços de um banco tradicional.

Além disso, há a praticidade, já que praticamente tudo pode ser controlado pela internet e o acompanhamento pode ser feito de qualquer lugar. Por fim, cabe destacar a baixa burocracia e os custos acessíveis dessa escolha, uma vez que com uma boa pesquisa é possível encontrar taxas bastante competitivas pelo serviço.

E as desvantagens?

Por outro lado, os robôs também apresentam algumas desvantagens. Como oferecem muitas comodidades, eles podem impedir que o investidor aprenda por conta própria sobre o mercado financeiro. Isso também faz com que os robôs não sejam indicados para investidores mais experientes ou que gostem de ter controle total sobre a sua aplicação.

Por fim, eles também não são boas opções para quem está focando no curto prazo ou para quem apenas está formando uma reserva de emergência com seus recursos.

Os robôs de investimento estão entre as opções mais modernas do mercado financeiro. Todavia, isso não significa que eles atenderão todos os perfis de investidores. Por isso, avalie as funcionalidades oferecidas e pese as vantagens e desvantagens para saber se eles são a alternativa que contempla todas as suas necessidades.

Quer saber o que é uma carteira de investimentos e por que ela deve ser diversificada? Este outro conteúdo do blog explica isso em detalhes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *